Paleta

Vi umas estrelas que libertavam pó sempre que se deixavam beijar pelo vento. De tal forma dançavam que um pequeno turbilhão nascia por entre os raios de luz reflectida, oferecido ao incauto sonhador acordado que pela noite deambula por uma qualquer rua secundária, perguntando-se se de facto estará acordado. Não se importa com a resposta, pois jamais vira tais matizes, tão ingenuamente cintilantes, animados por aquela ternura pessoal, cúmplice, de quem sente que sabe e sabe que sente o que sabe e sente que sabe o que sente. E parou, no meio daquela rua secundária sem ninguém, fechou os olhos, e agradeceu.

 

 

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s